O Som do Silêncio

Que bem que sabe o som do silêncio; parece um paradoxo, eu sei. Como pode o silêncio ser ouvido?! Acreditem que pode e é um som maravilhoso, é o som da paz a manifestar-se em toda a sua pureza.

O silêncio leva-nos a um lugar que é só nosso, a uma intimidade deslumbrante, onde nos encontramos a nu com nós mesmos, onde os segredos caem, a verdade se expõe e a criatividade acontece.

O silêncio é o veículo que nos leva a conhecer um mundo movo, um estado de tranquilidade e consciência plena, um tesouro que está ao alcance de todos, mas desconhecido de muitos. Nos mergulha num bem até então desconhecido, encoberto por milhares de anos de condicionamentos, e nos propõe uma relação de Amor e cumplicidade entre nós e Deus. Não é algo que se vê, não se prova, só se sente.

A voz do silêncio é a calma e intemporal; a dimensão para lá do incognoscível e da razão, indiscritível e imensurável que existe dentro do ser humano.

No silêncio, na absoluta ausência de som, diante do Todo ou do Nada, unicamente num estado de Presença encontramos os pensamentos, os medos e as lembranças que vagueiam soltos e perdidos ansiosos por se ancorarem. Contudo, em plena consciência lhos negamos com prazer por sabermos que alimentam um Ego que nos engana e aprisiona, dando-nos a ilusão do eu.

Diante do silêncio, não tenha medo! Silêncio não é solidão, isolamento, tristeza ou sentimento de vazio; é plenitude e alegria, é chegar à terra prometida.

Quando observar o som do silêncio apenas preste atenção, entregue-se, delicie o momento e nesse instante verá a sua independência do pensamento. Aí, e somente aí, deixará de se identificar com o ego; passará de dominado a dominador. Só nesse instante perceberá o que é a verdadeira Liberdade!

Vítor Augusto Mineiro

Sou natural do Concelho de Santarém, onde resido, e sou Professor de Matemática. Em novembro de 2000 obtive o 1.º grau de Reiki Usui Shiki Ryoho e em 2017 tornei-me Facilitador de Cura Reconectiva®. Desde muito cedo procurei respostas para as muitas perguntas que surgiam em mim, e por isso mesmo nunca aceitei uma visão materialista e fatalista da vida. Esta tornou-se uma oportunidade para crescer e ir mais além na descoberta da minha verdadeira identidade. O eu que eu julgo ser, não sou Eu, mas sim uma ilusão do ego. Sou administrador do blogue: https://curareconectivamineiro.blogspot.pt/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Compart.
Twittar
Compartilhar
Compartilhar
Pin