O que é o Amor?: Parte 2

O que é o Amor? – Segundo Buda (Perspetiva Budista)

Como referi na semana passada, este artigo é a continuação do anterior, artigo aonde senti a necessidade de questionar os nossos leitores acerca  do que eles pensam ser o Amor.

Hoje pretendo apresentar-vos o significado de Amor segundo a crença Budista. Selecionei esta crença porque identifico-me com o budismo e acredito que o Amor tem que ser construído através de atitudes e não palavras.

O budismo é considerado uma religião ou uma filosofia que surgiu na Índia no século VI a.C.. Compreende diversas crenças, tradições, práticas e ensinamentos transmitidos por Buda.

Esta filosofia tornou-me um melhor sere humano e ajuda-me na minha descoberta pelo meu Eu Superior. Respeito todas as religiões existentes no mundo e não sou perita em nenhuma delas.

O que o Buda mais falou foi sobre o Amor.

Por isso este artigo centra-se na crença de Buda sobre o Amor.

Para que o Amor verdadeiro exista é necessário quatro elementos… Para que este se torne mais leve.

Não são elementos, fatores ou concepções que descrevem o que é o Amor.

São, sim… Atitudes, maneiras e virtudes que se devem adotar perante o Amor.

Tornando assim o relacionamento mais alegre e leve.

E os quatro elementos segundo Buda são:


1. Maitri – define-se como bondade.

Significa ser gentil e atencioso um com o outro. Quando um dos parceiros dentro de uma relação faz o outro chorar ou sentir-se mal… isto não é amor. Atenção existe sempre conflitos mas um dos parceiros fazer sentir mal o outro… não é amor verdadeiro.

Mas, quando coloca as suas próprias necessidades acima das do parceiro isso sim é amar.

O amor gera alegria e não dor.

A bondade constrói assim uma união mental muito próxima com o parceiro.

Uma união espiritual, mental e kármica.


2. Karuna – define-se como compaixão

A compaixão neste tema refere-se ao facto de sentir e dividir as dores ou a agonia do outro.

Se conseguir sentir as dores ou as agonias do seu parceiro como se fossem suas… está a viver um amor verdadeiro.

Para que o amor se desenvolva e cresça pratique compaixão.


3. Mudita define-se como alegria

E junta os quatro elementos. Se não existe alegria não é amor verdadeiro.

O amor verdadeiro trás alegria ao coração. Se não existe alegria no relacionamento não é amor. É preciso encontrar alegria um no outro. Para que a alegria prospere partilhem momentos mesmo que estejam afastados.

E assim germina a verdadeira alegria do amor.


4. Upeksha – define-se como liberdade.

Num amor de verdade a pessoa sente-se livre no relacionamento. Isto é, ser quem é no relacionamento e poder falar de todos os assuntos, ideias, planos que pensa e idealiza sem medo de julgamento do outro.

Se o amor é composto por estes quatro elementos é considerado um amor verdadeiro… um amor genuíno.


Pratiquem os quatro elementos e vão ver o vosso relacionamento ser mais saudável, pleno e feliz.

Patrícia Correia

Licenciada em Ciências Sociais - Minor em Serviço Social pela Universidade Aberta. Mestranda em Serviço Social na Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra. Em descoberta do meu EU Superior. Formação em Terapias Holísticas: Reiki USui Shiki Ryoho - Nível III, Curso de Meditação - Praticante I e Formação de Instrutora de Yoga para Grávidas e Seniores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Compart.
Twittar
Compartilhar
Compartilhar
Pin